in

5 meses após morte de homem negro no Carrefour, empresa recebe punição

O homem foi morto por dois empregados da filial de Porto Alegre dentro do supermercado.

G1
Publicidade

Em novembro do ano passado, um caso em particular chocou o Brasil inteiro e gerou uma imensa onda de revolta e críticas. Trata-se da morte de João Beto, um homem negro que morreu ao ser agredido por seguranças que trabalhavam na rede Carrefour.

Nesta semana, o supermercado finalmente teve sua punição. De acordo com a empresa, a viúva de João Beto, Milena Alves, recebeu uma indenização no valor de R$ 1,1 milhão pela morte do marido, que foi sufocado por dois funcionários.

O depósito do Carrefour para Milena foi realizado nesta quarta-feira (28/04). Beto, como era chamado pelos mais próximos, foi assassinado pouco antes do dia do feriado da Consciência Negra, o que trouxe o caso à tona como racismo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

A morte da vítima aconteceu no supermercado em Porto Alegre. As câmeras de segurança mostraram desde o início o episódio que terminou com o óbito de Beto. Seguranças levaram o homem até o estacionamento do Carrefour e, após um soco por parte da vítima, os empregados reagiram.

Beto tentou se livrar das mãos dos agressões, mas continuou sendo sufocado. Após alguns instantes, a vítima parou de respirar e ficou inconsciente, segundo as imagens divulgadas de dentro do estacionamento do supermercado.

R$ 1 milhão da indenização para a viúva foi enviada a uma conta para consignação extrajudicial. Os outros R$ 100 mil restantes foram transferidos diretamente para a conta de Milena para ela usar em gastos de caráter mais urgentes.

Milena é a única parente de Beto que abriu negociação para a indenização do marido.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Aurilane Alves

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral. Pode entrar em contato comigo por meio do Instagram @paolla.evellyn