in

Defesa de pai de Henry faz dura acusação contra Monique e cita luxo: ‘Vendeu o filho dela para a morte’

Monique foi diagnosticada com Covid-19 na última semana e segue em isolamento.

UOL | DIVULGAÇÃO | MONTAGEM INGRID MACHADO
Publicidade

O inquérito que apura a morte do menino Henry Borel de Almeida, de 4 anos, está em reta decisiva e deve ser concluído nesta semana. Depois de colher mais de 20 depoimentos, analisar laudos de necropsia e periciais no apartamento onde a vítima vivia com a mãe e a madrasta, a Polícia Civil encaminhará toda a documentação para o Ministério Público do Rio. 

Em entrevista ao apresentador José Luiz Datena nesta segunda-feira (26), o advogado de Leniel Borel, pai do menino Henry, fez duras críticas à professora Monique Medeiros, após a divulgação de uma carta onde ela traz revelações de supostas agressões e manipulação de Jairinho no caso de morte do filho. 

Segundo Aílton Barros, Monique Medeiros agiu com conivência diante das agressões contra Henry pois objetivava uma “vida de luxo”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

“Ela vendeu o filho dela para a morte para desfrutar de uma vida que nunca teve. Ela vendeu o filho para ter uma vida de luxo”, disparou Barros.

O advogado ainda classificou a história contada por Monique na longa carta de quase 30 páginas como “mentirosa”, e ainda reforçou acreditar no envolvimento direto da professora na morte do filho, colocando ela como manipuladora da própria família.

“Isso tudo é história da carochinha, para boi dormir, para contar ao Papai Noel. Ela participou da mentira descendo com o filho morto no elevador para levar ao hospital”, concluiu o advogado de defesa de Leniel Borel. 

Defesa de Jairinho

Quem também se pronunciou sobre a carta escrita por Monique que trouxe supostas revelações foi a defesa de Jairinho. O novo representante do parlamentar no inquérito definiu a história contada pela professora como uma “peça de ficção”.

Monique e Jairinho seguem cumprindo prisão temporária até o próximo dia 7 de maio. Eles foram detidos por atrapalhar as investigações do caso de morte do menino, além de ameaçar testemunhas a apresentar uma mesma versão favorável a eles, passando uma ideia de relação harmoniosa.

Publicidade
Publicidade
Publicidade