in

Mãe da madrasta de Ketelen também está na mira da polícia e responde por crime horrível

Segundo a polícia, a mulher viu tudo e não fez nada para salvar a garota das agressões.

REPRODUÇÃO GLOBO / ARQUIVO PESSOAL BRENA LUANE
Publicidade

A polícia segue trabalhando no caso da morte da menina Ketelen Vitória Oliveira da Rocha, de apenas seis anos. A garota passou cinco dias internada na UTI após inúmeras agressões da mãe Gilmara Oliveira de Farias e da madrasta Brena Luane Barbosa, mas acabou não resistindo aos ferimentos e morreu no último sábado (24/04). 

A mãe e a madrasta foram presas em flagrante pelo envolvimento de ambas na morte de Ketelen, mas uma outra moradora da casa também entrou na mira da polícia nos últimos dias. 

A mãe de Brena presenciou todas as agressões sofridas por Ketelen e por isso também está respondendo por omissão de socorro. O laudo da polícia aponta que a garota foi agredida durante todo o final de semana e que a mãe da madrasta viu tudo e não tomou nenhuma atitude contra a filha e nem contra Gilmara, mãe de ketelen. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

A mulher, de 50 anos, alega que foi ameaçada pela filha e que também já foi agredida por ela. O histórico de violência de Brena é grande e ela já teria até dado um soco em sua avó de 86 anos, que também mora na casa. 

A mãe de Brena continuará respondendo pelo crime de omissão de socorro em liberdade e nesse período tem ajudado a polícia com informações a respeito do que aconteceu com a garota em seus últimos dias. Foi ela quem contou aos policiais que a filha estava alcoolizada quando levou Ketelen para fora de casa e a jogou de um barranco de uma altura de sete metros. Nesse barranco, Brena ainda teria espancado a menina antes de levá-la de volta para dentro. 

Gilmara e Brena estão respondendo pelo crime de tortura qualificada, seguida de morte.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Jean Marangoni

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: [email protected]