in

Delegado traz revelações impactantes sobre tortura contra Ketelen: ‘Sofreu violência por mais de três dias’

Mãe e madrasta da criança estão presas desde a última quarta-feira (21) em uma unidade prisional do Rio.

JORNAL EXTRA | DIVULGAÇÃO | MONTAGEM INGRID MACHADO
Publicidade

Pouco mais de um mês do ‘Caso Henry’ chocar o país, mais uma ocorrência de agressão e tortura contra criança, resultante em morte, foi registrada em solo nacional. Torturada e agredida pela madrasta e a própria mãe, a pequena Ketelen Vitória Oliveira da Rocha, de 4 anos, não resistiu às graves lesões sofridas e morreu no último sábado (24), em um hospital de Resende (RJ). 

Responsável pelas investigações do caso, o delegado Marcelo Nunes, relatou em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, mais alguns detalhes da ocorrência que impactou a cidade de Porto Real (RJ) e todo o país. Segundo ele, Ketelen “sofreu violência por mais de três dias, desde sexta [16] até a madrugada de segunda [19], até agonizar e ir para o hospital, ainda viva”.

O estopim

De acordo com Nunes, na sexta-feira (16), a menina tomou duas caixas de leite, derramou e a partir deste momento foi iniciada a sessão de tortura. Uma crise de ciúmes da madrasta Brena Luane Nunes, de 25 anos, com a vítima, teria impulsionado as agressões. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

“A Brena era a que mais batia, na mãe dela, na Gilmara, na criança. Mas a Gilmara (mãe da menina) também batia e nessa última conduta ajudou a bater”, afirma o delegado. 

No aguardo

As investigações do caso Ketelen estão avançando. As autoridades agora aguardam o laudo de necropsia e o resultado da perícia realizada na residência onde a menina morava, para realizar a conclusão do inquérito e encaminhar a documentação para a Justiça. 

Privada de alimentação, Ketelen sofreu diversas agressões em várias partes do corpo. A cabeça foi o local mais afetado, sendo detectado um traumatismo craniano. Os riscos de morte ou da criança ficar em um estado vegetativo eram grandes. Depois de cinco dias lutando pela vida em coma gravíssimo, ela acabou não resistindo. Brena e Gilmara devem ser autuadas por crime de tortura e morte. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade