in

Pai de Ketelen, menina morta após ser agredida pela mãe e madrasta, faz revelação: ‘Fiquei sabendo por meio da imprensa’

A menina de seis anos foi espancada brutalmente pela madrasta e pela própria mãe.

Extra/Montagem
Publicidade

A morte da pequena Ketelen Vitória Oliveira Rocha, a menina de seis anos que foi agredida e torturada pela mãe e madrasta, impactou as redes sociais e gerou grande comoção. O fato aconteceu em Porto Real, que fica na região Sul Fluminense. A menina acabou morrendo em consequência de uma parada cardiorrespiratória na madrugada deste último sábado, 14 de abril.

A menina ficou internada em estado grave após ter sido agredida brutalmente pela própria mãe, Gilmara Oliveira de Freitas, 27 anos, e por sua madrasta, Brena Luana, de 25 anos. O pai da pequena Ketelen Vitória, o vendedor Roger Fabrizius da Rocha, de 32 anos está em choque e clama por justiça.

O pai de Ketelen contou que ficou sabendo do crime na última terça-feira, 20 de abril, um dia após a filha ter dado entrada no hospital. Ele teria sido informado pela prima da mãe da criança. O vendedor disse que não desconfiava que a filha sofria agressões e que a mãe de Ketelen levou a menina de Caxias, cidade onde moravam, sem sequer avisar aos familiares.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Segundo Roger, Gilmara era uma mãe muito protetora e carinhosa com a menina. Por esse motivo, ele nunca imaginou que a ex tivesse coragem de fazer algo com a filha. Inclusive, o vendedor surpreendeu ao afirmar que não tinha conhecimento do relacionamento dela com Brena e que tomou conhecimento dos fatos pela mídia.

“Fiquei sabendo por meio da imprensa. Estou chocado com tudo isso que aconteceu. A família toda está muito abalada. Mas não tenho raiva da Gilmara. Só quero justiça”, desabafou o pai de Ketelen. O vendedor contou que foi casado com Gilmara por quatro anos e o casal se separou quando a filha tinha um ano. Ele ainda ressaltou que sempre deu assistência financeira e que tinha contato com a garota, porém, depois que a ex resolveu sair da cidade de Caxias sem falar nada, ele ficou sem saber do paradeiro delas.

A menina foi sepultada neste domingo, 25 de abril, no Cemitério Municipal em Japeri. A cerimônia contou com a presença de aproximadamente 20 pessoas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade