in

Amigo conta que Jairinho sempre namorou duas ao mesmo tempo e com características semelhantes: eram bonitas e tinham filhos

Outra testemunha revelou que o parlamentar já era violento quando ainda era uma criança.

DIVULGAÇÃO/POLÍCIA
Publicidade

O vereador do Rio de Janeiro, Dr. Jairinho, que está preso acusado de torturar e matar o enteado Henry Borel de 4 anos, se formou em Medicina no ano de 2004 pela Unigranrio. No entanto, ele nunca exerceu a profissão de médico, optando por seguir a carreira do pai na política. 

Um amigo do parlamentar nos tempos de faculdade revelou que Jairinho sempre se relacionou com duas mulheres ao mesmo tempo e repetidamente essas mulheres apresentavam as mesmas características: eram bonitas e tinham filhos. Esse comportamento do vereador já foi comprovado nas investigações a respeito da morte do garoto Henry. 

Uma outra testemunha contou como era Jairinho ainda nos tempos de colégio. Essa pessoa, que não quis se identificar, disse que era constantemente agredido pelo parlamentar quando os dois eram crianças. Foram três anos de agressões diárias no colégio particular Ferreira Alves, que era frequentado por crianças das famílias mais ricas de Bangu. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Essa testemunha afirma que sentia muito medo de Jairinho e que nunca entendeu o motivo das agressões. Jairinho batia no colega de escola com raiva e, quando terminava, olhava para o garoto com uma expressão de prazer. Ele conta que sempre sofreu calado e parou de descer para o recreio pelo medo de ser agredido. 

O vereador Jairinho foi preso com sua companheira Monique Medeiros no dia 8 de abril suspeitos pela morte de Henry Borel, filho de Monique. Henry morreu na madrugada de 8 de março após supostamente sofrer agressões do padrasto, que resultaram em 23 lesões corporais e uma laceração no fígado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Jean Marangoni

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: [email protected]