in

‘Chicoteada com fio de TV, socos e chutes’, agressões de madrasta e mãe contra menina de 6 anos impactam

Juiz que determinou a prisão das duas mulheres trouxe detalhes chocantes das agressões.

Carta Capital
Publicidade

Mais um caso bárbaro de violência contra criança choca o país neste primeiro semestre de 2021. Após o caso de morte do menino Henry Borel, uma menina que passou o último final de semana sendo vítima de agressões da madrasta e da própria mãe, se encontra em estado grave no Hospital São Francisco de Assis, em Porto Real, no Rio de Janeiro.

A menina de apenas 6 anos foi agredida por diversas horas no último final de semana, e só recebeu socorro na segunda-feira (19), quando a sogra da mãe da criança acionou uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, que encontrou a vítima agonizando. Após a entrada da vítima na unidade hospitalar, uma equipe da PM foi acionada para se dirigir até a residência e autuar a mãe e a madrasta da vítima. 

As duas agressoras confirmaram a ação em depoimento à polícia e tiveram prisão preventiva decretada na última quarta-feira (19), após determinação do juiz Marco Aurelio da Silva Adania.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Detalhes chocam 

Segundo o magistrado, a vítima vinha sendo privada de alimentação há alguns meses. Diante das fortes agressões em que foi vítima, a menina de 6 anos apresenta quadro de hemorragia intracraniana inoperável e grande riscos de morte ou de ficar em estado vegetativo. 

O juiz aponta no relatório da prisão preventiva das duas mulheres que a criança foi vítima de  “socos e chutes por diversas vezes”, além de ter sido “arremessada contra a parede e contra um barranco de 7 metros de altura, e de ser chicoteada com um cabo de TV”.

Segundo as investigações preliminares, a criança começou a ser agredida na última sexta-feira (16) e a rotina violenta só cessou na madrugada da segunda-feira (19), após a sogra da mãe da criança chamar o Samu. Ela também será responsabilizada por omitir as agressões. O caso foi registrado na 100ª DP, e até o momento oito pessoas já depuseram.

Publicidade
Publicidade
Publicidade