in

Vídeo: policiais são recebidos a pedradas e cadeiradas ao tentar fechar festa clandestina com aglomeração

Os agentes foram agredidos com pedras e cadeiras por pessoas que desrespeitavam as medidas restritivas da capital.

Reprodução
Publicidade

Policiais militares foram recebidos com pedradas e cadeiradas ao tentarem coibir uma festa clandestina, na noite deste domingo (4), em Paranoá, Distrito Federal.

A ocorrência se deu por volta das 22h30, quando a equipe que atendeu ao chamado foi até uma residência para averiguar uma possível desobediência ao decreto que proibiu aglomerações de 22h às 5h, horário estabelecido para o toque de recolher na capital do Brasil.

Em nota, a Polícia Militar informou que, ao chegarem no local, os agentes de segurança se depararam com muita aglomeração e som alto, além de pessoas consumindo bebidas alcoólicas e muitas crianças na rua. No momento em que os festeiros perceberam a chegada dos policiais e a intenção dos mesmos, a equipe teria recebido pedradas e cadeiradas. Devido às agressões, reforços policiais foram acionados pelos militares. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

No vídeo que circulou na web, um dos policiais ainda tenta conter os agressores disparando balas de borracha. Segundo a corporação, “no decorrer da ocorrência foi necessário o uso de meios menos que letal e uso diferenciado da força”.

Uma das pessoas que participavam das aglomerações foi levada ao Hospital Regional do Paranoá para receber primeiros socorros, após ficar ferida durante a confusão.

Outras três pessoas, de 33, 35 e 38 anos foram detidas e levadas para 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá). Os três responderão por crimes como lesão corporal, descumprimento de medida sanitária, desacato e desobediência.

De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal, os suspeitos permanecerão presos na divisão de controle e custódia até uma decisão judicial, pois a soma das penas dos crimes cometidos é superior ao valor afiançável.

Publicidade
Publicidade
Higor Mendes

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.