in

Pai de Henry diz que ex cobre crime do namorado: ‘Queria que ele fosse enterrado rápido e com caixão fechado’

O engenheiro deu declarações inéditas a respeito da morte da criança, de quatro anos.

UOL
Publicidade

A morte do menino Henry Borel está sendo investigada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Na última quinta-feira (01/04), uma simulação do trágico episódio foi realizada no condomínio Majestic, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, onde a vítima residia com Monique Medeiros, sua mãe, e o Dr. Jairinho, o padrasto.

O casal foi intimado a participar da reprodução da morte de Henry, mas não compareceu ao apartamento na data marcada. O advogado dos dois afirma que ambos não estavam apresentando condições psicológicas para tal situação.

Recentemente, Lenirl Borel, pai de Henry, foi entrevistado e deu algumas fortes declarações envolvendo a morte do filho e seus momentos antes de ser declarado morto no último dia 8 de março em um hospital do Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Leniel acredita que Dr Jairinho é o culpado pelo óbito do filho. Ele afirma que Monique, sua ex-mulher, com quem foi casado até outubro do ano passado, está tentando encobrir os atos do namorado, que já foi acusado por outras mulheres de agressão.

O pai de Henry ainda falou em entrevista alguns detalhes que até então não haviam sido informados. Ele contou, por exemplo, que Monique queria que o enterro e Henry acontecesse de maneira breve: “Queria que ele fosse enterrado rápido e com caixão fechado“. O engenheiro revelou à Veja que o filho, pouco antes da morte, apresentava um hematoma no nariz, o qual a criança não soube explicar.

Leniel disse que não procurou a polícia para fazer um exame de corpo de delito pelo hematoma para não dar alarme falso e perder o direito de ver Henry.

Publicidade
Publicidade
Aurilane Alves

Escrito por Aurilane Alves

Escrevo sobre os assuntos mais bombados do momento, famosos, curiosidades, notícias em geral. Pode entrar em contato comigo por meio do Instagram @paolla.evellyn