in

Testemunha que revelou agressões de Jairinho contra criança comove em desabafo: ‘Tive crise de consciência’

Henry Borel morreu na madrugada do dia 8 de março, e caso ainda segue sob apuração da Polícia Civil.

UOL/MONTAGEM
Publicidade

O caso de investigação de morte do menino Henry Borel acabou ganhando novos desdobramentos após a realização de alguns depoimentos de testemunhas na 16ª DP (Barra da Tijuca). Ao todo, mais de 10 pessoas depuseram ao delegado Henrique Damasceno. Contudo, um dos relatos mais impactantes foi dado por uma ex-namorada do Dr. Jairinho, padrasto do garoto.

Na delegacia, a mulher que teve um relacionamento no passado com o vereador relatou que ela e a filha, que na época tinha apenas 4 anos, foram vítimas de agressão do parlamentar. Antes de procurar as autoridades, após o caso ganhar ampla repercussão nacional, a ex de Jairinho procurou o pai de Henry, o engenheiro Leniel Borel, para se solidarizar com o que havia ocorrido e revelar estas informações de supostas agressões. 

A ex, que não teve a identidade revelada, mas segundo o Extra tem 31 anos e trabalha como cabeleireira, diz ter tido uma crise de consciência após tomar conhecimento da morte misteriosa de Henry, em entrevista exclusiva concedida ao jornal “O Globo”.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

“Quando estourou a crise do Henry, tive a minha primeira crise de consciência, me senti deprimida. E comecei a pensar: “Será que se eu tivesse feito alguma coisa, isso teria sido evitado?”, disse a mulher, bastante emocionada. 

Alvo de perseguição

Desde que as graves denúncias foram feitos, sendo inclusive responsáveis pela abertura de um novo inquérito para investigar Jairinho, o parlamentar através do seu advogado, André França Barreto, diz que vem sendo vítima de perseguição por esta mulher desde que os dois tiveram um relacionamento há quase 10 anos, após ele a abandonar.

Ainda na entrevista, a mulher reafirmou todas as acusações relatadas contra Jairinho,  trouxe mais detalhes sobre a relação de dois anos com o parlamentar, e disse que espera ajudar nas investigações para esclarecer a morte do menino Henry Borel. 

Publicidade
Publicidade