in

Especialista alerta: agravamento da pandemia e a crise política vão pesar diretamente no bolso do brasileiro

A crise sanitária e econômica com a instabilidade política interfere diretamente no preço dos alimentos que você coloca na mesa.

Go Outside
Publicidade

Na última semana o noticiário foi dividido entre o agravamento da pandemia e a crise política que está movimentando Brasília. Você pode até não gostar de política e não acompanhar as notícias, mas o desdobramento disso vai pesar diretamente no seu bolso.

O gestor de risco e especialista em planejamento financeiro Hilton Vieira explica que a combinação da crise sanitária e econômica com a instabilidade política interfere diretamente no preço dos alimentos que você coloca na mesa. “O preço do cafezinho, do pão, da carne e até mesmo os aluguéis vai subir”, afirma.

Segundo o gestor de riscos, isso acontece porque esse cenário provoca a fuga de investidores estrangeiros, a desconfiança dos brasileiros sobre o destino da economia e a desvalorização do real. Quando um investidor estrangeiro aplica o seu dinheiro em um país, ele fomenta a economia, gerando empregos e favorecendo o consumo. “Quando ele sai, o mercado retrai, aumenta o desemprego e cai a renda do trabalhador, que diminui os gastos, reduzindo ainda mais o mercado consumidor. Menor consumo, menos empregos, preços mais altos, é uma bola de neve. E essa situação se agrava com um auxílio emergencial tão baixo que não tem fôlego para movimentar a economia”, completa.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Vieira explica que outra consequência dessa combinação de fatores é a elevação do dólar e a desvalorização do real. “Isso provoca o aumento dos preços de importados e das commodities, como soja, milho e açúcar, já que os produtores rurais preferem vender para o Exterior e receber em dólar. E é aqui que o preço do cafezinho aumenta, já que a baixa oferta no mercado eleva os preços. No final, quem sempre paga a conta dessa instabilidade é o consumidor”, diz.

Esse cenário também causa a alta do IGP-M, que subiu mais de 20%. “Esse aumento impactou não só os produtos de consumo direto, como alimentação, mas encareceu os relacionados à construção civil, como o cobre, além de ser responsável pelo alto valor dos aluguéis. A solução para o último caso é negociar os valores com os locadores, que estão sendo estrategicamente empáticos por causa da pandemia e preferem entrar em acordo para pagamento de um aluguel menor do que ficar com seus imóveis vazios”, diz.

Publicidade
Publicidade
Anna Müller

Escrito por Anna Müller

Bastante ativa nas redes sociais, escrevo conteúdo sobre os mais diversos assuntos para a plataforma i7 Network.