in

Homem perde filho, esposa e sogra para a Covid-19 em apenas 10 dias; desabafo comove: ‘Sem reação’

Mecânico ficou com dois filhos menores para criar após esposa, com que era casado há 30 anos, morrer por Covid-19.

UOL
Publicidade

A pandemia do coronavírus tem provocado cenários desoladores em milhares de famílias brasileiras. Nas últimas semanas, recordes sucessivos de média diária de óbitos vem sendo quebrados. Morador na cidade do Gama, município satélite de Brasília, o mecânico Antônio Marcelo da Silva, de 45 anos, ainda tenta absorver as perdas irreparáveis de três membros da família.

Em um intervalo de apenas 10 dias, ele perdeu o filho, a esposa e a sogra – todos pela Covid-19. Em entrevista ao portal UOL, Antônio se mostrou impactado e sem reação com a situação vivida. 

“Eu nem sei dizer como estou me sentindo. Estou sem reação nenhuma. Solitário. Agora só o tempo mesmo para curar isso”, desabafou o mecânico.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O primeiro ente de Antônio a apresentar os sintomas da Covid-19 foi Stênio da Silva, de 26 anos, filho do mecânico. Após ter agravamento do seu quadro clínico, o jovem foi internado no dia 11 de março, e pouco depois foi intubado.

Na sequência, a esposa de Antônio, Simone Maria da Silva, de 46 anos, também apresentou sintomas da doença e foi internada no mesmo hospital. Por fim, a sogra dele, Raimunda, de 71 anos, também se contaminou e precisou ser internada. 

A esposa foi a primeira a morrer, vindo a óbito no dia 18 de março. Apenas uma semana depois, dona Raimunda também não resistiu. Enquanto os familiares ainda absorviam a perda, o jovem Stênio morreu no último domingo (28).

“Desde o dia 11 a gente não teve mais paz. Era só notícia ruim. Minha mulher viu tudo. Meu filho sendo transferido de hospital e intubado. Ela ficou muito mexida”, lembra Marcelo.

Longo casamento

O relacionamento de Antônio e Simone, recentemente, completou 30 anos. Além de Stênio, o casal teve mais dois filhos juntos, um de 4 anos e outro de 12 anos. Segundo Antônio, o filho mais novo nem sabe que os familiares (avó, mãe e irmão) morreram vítimas da Covid-19.

Publicidade
Publicidade