in

Enfermeira morre por Covid enquanto esperava 2ª dose de vacina e recebe homenagens: ‘Querida e atenciosa’

Profissional da saúde havia recebido primeira dose da vacina contra Covid-19 no dia 21 de janeiro.

Folha de Londrina
Publicidade

Profissional da saúde na linha de frente contra a Covid-19, a técnica de enfermagem Nair de Fátima Silva, de 50 anos, morreu na última sexta-feira (19), em decorrência da doença. Naná, como era carinhosamente chamada, já havia recebido a primeira dose do imunizante contra o coronavírus no dia 21 de janeiro, e aguardava a segunda dose. Ela trabalhava no Hospital Universitário de Londrina, no Paraná.

A técnica de enfermagem receberia a segunda dose do imunizante nos próximos dias. Contudo, ela já havia testado positivo para a doença. Segundo informações do HU da UEL, Nair integrava o grupo de risco da Covid-19 por ser diabética. Com quadro alarmante de glicemia descompensada, a profissional teve que ser internada às pressas

Na última terça-feira (16), Nair recebeu alta médica, no entanto, morreu três dias depois após sofrer uma parada cardiorrespiratória. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Segundo especialistas, Nair precisaria de duas doses da vacina para atestar a eficácia de 78% do imunizante contra a Covid-19 que ela recebeu. Eles ainda destacaram que a morte da paciente não teve nenhuma ligação com a aplicação da primeira dose da vacina. 

Homenagem e comoção

A morte de Nair deixou amigos e familiares desolados e impactados. Nas redes sociais, diversas pessoas lamentaram o falecimento precoce da profissional de saúde. Em notas, o hospital onde ela trabalhava e o Londrina, clube do coração da vítima, solidarizaram com os familiares e prestaram homenagem à técnica de enfermagem. 

“Era uma colega de grandioso valor profissional e também como ser humano. Sua falta será sentida”, afirmou a unidade hospitalar onde a técnica de enfermagem trabalhava. 

“Querida e atenciosa com as pessoas à sua volta, Naná se tornou uma verdadeira embaixadora do LEC. Quando ela não podia ir ao estádio, era no hospital mesmo que ela cativava os colegas de trabalho para assistirem ao lado dela aos jogos do Alviceleste pela TV”, disse o Londrina, em uma nota publicada em seu site oficial. 

Publicidade
Publicidade