in

Filha de João Alberto, homem morto no Carrefour, comove com desabafo: ‘Não traz a vida de volta’

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado e morto por dois homens brancos.

UOL/Montagem
Publicidade

O corpo de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, o homem negro morto por seguranças no Supermercado Carrefour, foi sepultado na manhã deste sábado, 21 de novembro. O enterro acontece no Cemitério São João, que fica localizado na região da Zona Norte de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul.

A morte do homem no Carrefour provocou uma onda de revolta e protestos em várias localidades do país. As pessoas ficaram revoltadas com a morte cruel de João Alberto que aconteceu após ter sido motivada por um desentendimento com a funcionária do caixa, que foi quem acionou a ajuda dos seguranças.

A esposa de João Alberto, Milene Borges, estava extremamente abalada com tudo que aconteceu e se limitou a pedir justiça pela morte do marido. A mulher estava acompanhado o homem no momento em que tudo aconteceu. Inclusive, ela chegou a dizer que ele pediu ajuda, mas ela teria sido impedida pelos seguranças. Agora, Milena clama por justiça: “Eu não tenho nada para falar. Só quero justiça, quero que paguem”.

Publicidade

Thaís Amaral Freitas, uma das filhas do homem que foi morto no supermercado Carrefour, falou sobre a morte do pai e comoveu com desabafo. A jovem disse que o apoio recebido é importante, mas não traz a vida de volta e ressaltou que ficou impactada ao ver as imagens da morte do pai. “A gente até se sente confortável por isso, mas mesmo assim, não traz a vida de volta. Não tem muito o que falar, depois de ver aquelas imagens, horrível”.

Publicidade

Amigos e familiares fizeram questão de presta a última homenagem ao homem que morreu de maneira brutal dentro de um supermercado. Um dos amigos de João Alberto fez questão de dizer que ele era uma pessoa divertida, brincalhona e um ótimo parceiro e afirmou ser algo inexplicável o que aconteceu com ele.

A morte de João Alberto aconteceu nesta última quinta-feira, 19 de novembro, mas a notícia somente ganhou repercussão no dia seguinte. Os seguranças, acusados de ter agredido o homem até a morte, devem responder por homicídio triplamente qualificado.

Publicidade
Shyrlene Souza

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.