in

Bolsonaro ignora morte de João Alberto, morto no Carrefour, minimiza racismo e gera revolta: ‘Sou daltônico’

Chefe do Executivo adotou silêncio e não mencionou o caso de morte ocorrido no Carrefour de Porto Alegre.

Flickr Alan Santos / Reprodução Globo
Publicidade

Bastante ativo nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro causou polêmica na última sexta-feira (20) ao minimizar o racismo no país. Em texto publicado durante a noite sobre o Dia da Consciência Negra, o chefe do Executivo disse ser “daltônico” e alegou que “todos têm a mesma cor”.

Na publicação, o presidente ignorou a morte de João Alberto Silveira Freitas, homem negro que foi espancado até a morte por dois seguranças em uma unidade do supermercado Carrefour, em Porto Alegre, na última quinta-feira (19). 

“Não adianta dividir o sofrimento do povo brasileiro em grupos. Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença”, afirmou Bolsonaro.

Publicidade

Cobranças

Ao longo da última sexta, diversos internautas cobraram um posicionamento do chefe do Executivo sobre a morte de João Alberto, mas Bolsonaro optou por não se pronunciar, diferentemente de outras lideranças políticas, que manifestaram o repúdio contra a ação. 

Publicidade

O posicionamento do presidente feito no final do dia, gerou revolta de alguns brasileiros, enquanto alguns apoiadores elogiaram o discurso. 

“O grande mal desse país é um presidente imoral como você que relativiza racismo e as lutas de um povo sofrido como o brasileiro”, disparou um internauta. 

“Você segue essa cartilha certinho..voce é sempre paz e amor ne? Seus tweets e falas mostram muito isso..paz, amor e conciliacao. (Contem ironia) Deve ser difícil ser você é ter tanto repertorio pra criar pra tanta discórdia, justamente você quer isso, mais vulnerabilidade!”, disse outra.

“Como sempre, 100% certo”, afirmou outra usuária do Twitter.

Publicidade