in

Auxílio Emergencial: governo federal anuncia medida terrível para milhares de beneficiários

Auxílio Emergencial já contemplou quase 68 milhões de brasileiros desde sua criação, no primeiro semestre.

Agência Brasil
Publicidade

A criação do Auxílio Emergencial se tornou uma “grande válvula” de escape para a economia nacional e para o bolso de milhares de brasileiros. Contudo, o benefício que tem pagamento previsto até dezembro, acabou sendo cortado para mais de 400 mil brasileiros do Bolsa Família.

Segundo informações levantadas pelo Metrópoles baseando-se em dados do Ministério da Cidadania e da Caixa Econômica Federal, cerca de 16,3 milhões de beneficiários do programa foram aprovados, em setembro, para receber as parcelas adicionais de R$ 300 do Auxílio Emergencial.

Quando anunciou a extensão, o governo já havia promovido um corte de 2,9 milhões de beneficiários, por conta das novas regras do Auxílio Emergencial. Contabilizando trabalhadores em geral que não recebem o Bolsa Família, este quantitativo salta para 5,7 milhões. 

Publicidade

Anúncio do Ministério da Cidadania

Em nota divulgada na última quarta-feira (18), o Ministério da Cidadania informou que 15,9 milhões de beneficiários do Bolsa Família receberiam a terceira parcela da extensão, cujo pagamento será iniciado nesta semana. O índice representa uma baixa de 2,5%. Ou seja, 400 mil beneficiários foram cortados do programa nos últimos 45 dias. O quantitativo pode ser ainda maior, uma vez que estes números não computam trabalhadores informais, MEI´s, autônomos e desempregados que não integram o Bolsa Família. 

Publicidade

Reavaliação

Procurado pelo Metrópoles, o Ministério da Cidadania, por meio do responsável pela pasta, Onyx Lorenzoni, disse que o governo federal “trabalha com a lógica de que ninguém ficará para trás nas ações de proteção social, principalmente, os mais vulneráveis”.

Depois de rechaçar a possibilidade de uma terceira extensão do Auxílio Emergencial, o ministro Paulo Guedes, disse que o cenário será possível para 2021, caso o Brasil vivencie uma “segunda onda” de casos da Covid-19. 

Publicidade