in

Auxílio Emergencial: abaixo-assinado pede manutenção do benefício em R$ 600

Centrais sindicais fazem abaixo-assinado para Congresso votar Medida Provisória (MP) 1.000.

Câmara dos Deputados / Caixa
Publicidade

O pagamento do Auxílio Emergencial está na mira das centrais sindicais de todo o Brasil. Presidentes de sindicatos lançaram um texto dirigido ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e fizeram um abaixo-assinado que conta com quase 10 mil assinaturas.

O texto é assinado por Sérgio Nobre, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT); Miguel Torres, presidente da Força Sindical; Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT); Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB); José Calixto Ramos, presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NSCT), entre outros.

“Nós, abaixo-assinados, cientes da necessidade da manutenção do valor de R$ 600,00 na extensão do Auxílio Emergencial até dezembro de 2020 (R$ 1.200,00 para mãe chefe de família), clamamos ao presidente da Câmara dos Deputados, deputado federal Rodrigo Maia, que coloque imediatamente em votação a Medida Provisória 1.000/2020”, diz o primeiro parágrafo do texto.

Publicidade

O que precisa acontecer para o Auxílio Emergencial voltar aos R$ 600?

O Auxílio Emergencial vem sendo pago pelo governo federal desde abril. Inicialmente, três parcelas seriam pagas entre abril e junho. No fim de junho, foi anunciado que haveria o pagamento de mais duas parcelas nos meses de julho e agosto. Cerca de 67 milhões de brasileiros receberam ao menos uma parcela.

Publicidade

No fim de agosto, o governo editou a MP 1.000/2020, que prorrogava o benefício em mais quatro parcelas de R$ 300 – metade do que vinha sendo pago até então. A única forma de o valor retornar aos R$ 600 anteriores é a MP sendo votada e rejeitada pelo Congresso Nacional.

O governo trabalha para que não aconteça a votação. Como as MPs valem por 120 dias a partir do momento em que forem publicadas, o prazo venceria no fim de dezembro, quando os pagamentos já tiverem todos sido feitos.

Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br