in

Mãe abre o coração sobre a dor de perder a filha no 8º mês gravidez: ‘foi do meu ventre ao céu, sem escalas’

A mulher contou sobre a dor e a aceitação de perder uma filha no oitavo mês de gestação.

Pais&Filhos
Publicidade

Renata Americano é mãe de três crianças, um menino, uma menina e uma anja. Formada em design, a bailarina aposentada atualmente atua como diretora criativa da BlueMan e durante uma entrevista concedida à Vogue abriu o coração e falou sobre a difícil perda da filha no oitavo mês de gravidez.

A maternidade sempre foi um desejo de Renata que com seis meses de namoro foi pedida em casamento e antes de formar a família o casal resolveu curtir um pouco a vida. Como foi dançarina profissional, ela imaginava que conseguiria engravidar quando quisesse. Ela conta que decidiu engravidar no ano de 2015.

Com uma boa saúde, super ativa e com um percentual de gordura de 9%, Renata achava que seu positivo aconteceria logo no mês seguinte. No entanto, ela teve que entender que o organismo precisa ter menos foco em ser atleta e mais em ser um abrigo. Isso incluía que precisa relaxar um pouco mais na alimentação e exercícios. Sete meses depois, a ex-bailarina engravidou da sua filha primogênita.

Publicidade

A gravidez foi tranquila, sem nenhum tipo de sobressalto. Desde que conseguiu engravidar Renata contou que tinha um grande vínculo com a pequena que estava dentro da barriga. “Vivi uma ligação profunda e visceral com ela. Tão desejada e tão amada. Digo sempre que a mãe já nasce no positivo e, a cada ultrassom, a cada exame, vai se entregando para aquele caminho sem volta do amor incondicional. Em um daqueles momentos inexplicáveis e dilacerantes, minha filha foi do meu ventre ao céu, sem escalas”.

Publicidade

Por causa de uma hemorragia silenciosa, a bebê morreu e Renata quase perdeu a vida no mesmo dia. Ela falou sobre a dor da perda e o quanto foi difícil enfrentar a dor do luto e revelou que chegou a carregar a filha sem vida em seus braços. Para a ex-bailarina, ter que lidar com o puerpério sem a criança nos braços foi algo difícil. Mesmo fazendo uso de medicamentos para secar o leite, seu seio ficava cheio.

“Por um tempo eu apenas existi. Depois sobrevivi, me permiti sentir toda aquela dor e aos poucos fui renascendo. Fé. É duro, mas acredito que 99% das pessoas evoluem pela dor”, desabafou a mãe. Apesar de todo sofrimento, ela disse que se apoiou na fé para conseguir superar.

Ela deu a volta por cima e estava decidida a engravidar novamente assim que os médicos liberassem. Passado três anos, hoje Renata tem dois lindos filhos, Antônio Pedro e Olívia e apesar da saudade de sua primogênita segue firme e se sente mais forte para ajudar outras pessoas que passam pelo mesmo problema.

Publicidade
Shyrlene Souza

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.