in

Auxílio Emergencial: prorrogação limitada do benefício tira 6 milhões de brasileiros das novas parcelas

Nova prorrogação do Auxílio Emergencial já foi anunciada, mas ainda depende de aprovação no Congresso Nacional.

Agência Brasil
Publicidade

No dia 1º de setembro, o presidente Jair Bolsonaro anunciou uma nova prorrogação do Auxílio Emergencial. Alento dos brasileiros em tempos de pandemia, o benefício foi estendido até o mês de dezembro, no entanto, teve uma redução de 50% no valor das novas cotas, que passaram de R$ 600 para R$ 300.

Além disso, conforme o texto da Medida Provisória desta extensão, publicado no Diário Oficial da União, e também pelo que foi sinalizado até o momento pelo Ministério da Cidadania, nem todos os beneficiários receberão as novas parcelas de forma integral. Isto porque, o benefício só será pago até dezembro, período este que uma boa quantidade de brasileiros ainda estará recebendo parcelas anteriores.

De acordo com a Folha de S. Paulo em apuração com fontes ligadas ao Ministério da Economia, cerca de seis milhões de beneficiários não devem receber de forma integral as novas parcelas. A pasta estuda uma economia de R$ 5,7 bilhões com estes cortes. 

Publicidade

Se as novas regras previstas na Medida Provisória não fossem impostas os gastos mensais com o Auxílio Emergencial Residual seriam em torno de R$ 25,4 bilhões, diante da decisão do governo, estas cifras devem cair para R$ 19,7 bilhões.

Publicidade

Indefinição

Apesar do cronograma da sexta parcela – primeira cota adicional de R$ 300 – ser iniciada nesta quinta-feira (17) para beneficiários do Bolsa Família, os demais grupos ainda vivenciam a incerteza diante da falta de divulgação do calendário por parte do Ministério da Cidadania. A publicação do novo calendário será determinante para se comprovar oficialmente esta redução no número de cotas para alguns beneficiários.

Para os que tiveram seu respectivo cadastro aprovado no programa somente em julho, somente uma cota deve ser liberada, ou seja, perderia três parcelas. Neste cenário, somente quem recebeu a primeira parcela em abril terá 100% das novas parcelas.

Publicidade