in

Covid-19: estudo comprova nova consequência do vírus

Covid-19 pode também infetar as células cerebrais, provocando sintomas como a dor de cabeça ou alucinação.

Covid-19 - Shutterstock
Publicidade

Os especialistas continuam buscando mais informação sobre o novo coronavírus. A pandemia continua preocupando a todos e continua sendo crucial que as pessoas consigam se proteger do vírus, evitando o contágio. Agora, de acordo com um novo estudo da Universidade de Yale, o SARS-CoV-2 poderia ter consequências também no cérebro, que aliás, poderia ser até mais perigosas do que nos pulmões. 

Covid-19 continua preocupando a todos 

No novo coronavírus, a maior preocupação continua sendo a facilidade de transmissão. Uma pessoa até pode nem saber que está infetada, mas poderia passar esse vírus para outras pessoas. O contágio é tão fácil que o vírus se espalhou rapidamente por todo o mundo.  

Depois, o outro problema grave é que o vírus está se revelando muito letal. Já morreram, por todo o mundo, mais de 900 mil pessoas. Por outro lado, mais de milhares de pessoas já se recuperaram da doença. Embora ainda não se saiba se há efeitos colaterais que podem perdurar pelo resto da vida.

Publicidade

Covid-19 pode infetar o cérebro 

O patógeno do novo coronavírus atinge principalmente os pulmões, mas também pode afetar os rins, o fígado, os vasos sanguíneos e o cérebro. A invasão das células cerebrais está agora sendo cada vez mais estudada, sendo que alguns sintomas como dores de cabeça, confusão e delírio estão deixando os cientistas em dúvida do impacto do vírus no cerébro. 

Publicidade

Esse novo estudo foi publicado pelo The New York Times, mas ainda deve ser retificado por outros médicos. A conclusão é que o vírus pode realmente afetar as células cerebrais. Porém, os cientistas da Universidade de Yale não puderam ainda provar como o novo coronavírus chega no cérebro e nem exatamente o que ocasiona após a infecção. Os resultados sugerem ainda que a infeção no cérebro pode ser mais letal do que a própria infeção respiratória, mas não há comprovação da gravidade e de como isso impactará na vida dos seres humanos.

Publicidade