in

Servidor de Santo Antônio do Aventureiro falsifica contracheques desde 2013 e causa rombo nas contas da cidade

A atual administração da Prefeitura de Santo Antônio do Aventureiro estima que o prejuízo, perpetuado desde 2013, passe da casa de meio milhão de reais.

Divulgação/PCMG | Prefeitura de Santo Antônio do Aventureiro
Publicidade

Um forte esquema de desvio de dinheiro público foi descoberto nos bastidores do Departamento Pessoal da Prefeitura de Santo Antônio do Aventureiro, pequena cidade localizada na Zona da Mata do estado de Minas Gerais, com cerca de 4 mil habitantes. O caso segue em apuração pelas autoridades, com prejuízo estimado até o momento na casa dos R$ 121 mil aos cofres públicos – valor que pode aumentar no decorrer das investigações. Com o gigantesco rombo, a pacata cidade ganhou os jornais de grande circulação em todo o país.

Dois servidores são investigados

A atual administração da Prefeitura de Santo Antônio do Aventureiro instaurou processo administrativo com o objetivo de apurar as irregularidades. De acordo com os resultados obtidos, a investigação chegou ao nome de dois servidores da Prefeitura, diretamente vinculados ao Departamento Pessoal. Com as suspeitas de envolvimento no desvio de dinheiro público, ambos foram afastados de seus cargos. As suspeitas são de que o desvio de dinheiro ocorresse a partir de adulteração e falsificação de contracheques.

Para investigar o caso, a Polícia Civil de Além Paraíba abriu um inquérito policial, e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) também instaurou procedimento. As instituições optaram por manter o nome dos suspeitos em sigilo, a fim de que não haja comprometimento no andamento das investigações.

Publicidade

Falsificação de contracheques

Para a atual administração da Prefeitura da cidade de Santo Antônio do Aventureiro, as suspeitas são de que o desvio tenha se perpetuado desde o ano de 2013. Somados, todos os prejuízos podem romper a barreira de meio milhão de reais.

Publicidade

Com as suspeitas, o homem apontado como coordenador do esquema, chefe do Departamento Pessoal, foi afastado de suas funções no último mês de maio, quando foi instaurado o processo administrativo para apurar as possíveis condutas fraudulentas.

A descoberta dos desvios

No último mês de abril, durante operação rotineira no pagamento de salários aos servidores, a Secretaria Municipal de Fazenda descobriu incompatibilidade entre os valores remetidos ao banco Sicoob e o valor efetivamente pago pela instituição financeira aos funcionários públicos.

Com a divergência, a Secretaria verificou o pagamento indevido de dois contracheques. Estes não estavam previstos na folha de pagamento que havia sido enviada pelo Departamento Pessoal à Tesouraria da Prefeitura. A partir de então, por meio de cópias dos contracheques, o Executivo descobriu que se tratavam de dois documentos falsificados.

Um deles estava em nome de um ex-funcionário que nem sequer faz parte do atual quadro de servidores. O segundo contracheque havia sido emitido no nome de uma pessoa desconhecida, nunca antes funcionária da Prefeitura. No mesmo documento, o falsificador utilizou o CPF de uma ex-funcionária, falecida há pelo menos dez anos.

Em procura ao banco Sicoob, o responsável pelos pagamentos, a atual administração da Prefeitura de Santo Antônio do Aventureiro descobriu que os valores referentes aos dois contracheques falsificados haviam sido sacados diretamente pelo chefe do Departamento Pessoal, dando ensejo para as suspeitas.

Segundo servidor público é suspeito

No mesmo esquema, um segundo servidor também teria sido beneficiado pelas práticas fraudulentas. Neste caso, o sistema informatizado da Prefeitura teria sido hackeado, a fim de alterar o cargo deste funcionário para um superior – e mais bem remunerado -, prática que também se perpetuou por longo tempo. Com os recebimentos indevidos, ao menos R$ 40.584,02 são especulados em prejuízo aos cofres públicos.

A Administração Municipal segue agora em busca das cópias dos contracheques, em posse do banco Sicoob. Apenas com tais documentos em mãos será possível apontar com precisão o tamanho do rombo realizado contra os cofres públicos de Santo Antônio do Aventureiro. Simultaneamente, o caso segue investigado pela Polícia Civil de Além Paraíba.

Publicidade
Henrique

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.